Escola Brincar e Aprender: Projeto para trabalhar a música calcanhares

Escola Brincar e Aprender

Blog criado para compartilhar assuntos educacionais que dizem respeito a educação infantil e a Escola Brincar e Aprender.

domingo, 21 de abril de 2013

Projeto para trabalhar a música

Projeto para trabalhar a música na educação infantil (sons, rítmos e instrumentos musicais) Justificativa:        Incentivar a criança a compreender a forma adequada de ouvir música, conhecendo os diversos ritmos musicais e seus instrumentos, e a importância que a música tem na vida das pessoas.        A música ajuda a afinar a sensibilidade de seus alunos, aumenta a capacidade de concentração, desenvolve o raciocínio lógico-matemático e a memória, além de ser um forte desencadeador de emoções. Os benefícios de uma boa Iniciação Musical se estenderão para todas as áreas da aprendizagem.   Objetivo Específico:            Ouvir, perceber e discriminar eventos sonoros, fontes sonoras e produções, bem como perceber e expressar sensações, sentimentos e pensamentos por meio de improvisações, composições e interpretações musicais. Explorar e identificar elementos da música para se expressar, interagir com os outros e ampliar seu conhecimento de mundo. Objetivos Gerais: ·        Promover a socialização dos conhecimentos sobre música e seus instrumentos; ·        Aumentar a sensibilidade e a capacidade de concentração; ·        Desenvolver o raciocínio lógico e a imaginação; ·        Desenvolver á autoestima e coordenação motora; ·        Desencadear emoções, aumentando a união entre a interação e o prazer; ·        Explorar os instrumentos musicais; ·        Desenvolver a linguagem, percepção, audição, habilidades em acompanhamento Rítmico com instrumentos, voz e o canto como expressão de grupo e individual; ·        Construir instrumentos musicais; ·        Contribuir na formação e desenvolvimento da personalidade das crianças, pela ampliação da cultura; ·        Enriquecimento da inteligência; ·        Vibração da sensibilidade musical; ·        Educar musicalmente. Conteúdos Conceituais: ·        Identificar os tipos de instrumentos musicais, através da observação; ·        Comparar os tipos de músicas através audição de músicas diversas; ·        Refletir sobre os tipos de músicas; ·        Identificar as características, específicas, de diversos instrumentos musicais; ·        Saber identificar os tipos de música. Procedimentais: ·        Classificar os tipos de músicas e instrumentos musicais; ·        Desenvolver atividades lúdicas com músicas; ·        Desenvolver atividades de matemática; ·        Desenvolver Jogos com músicas; ·        Realizar uma apresentação musical; ·        Associar os tipos de músicas e instrumentos; ·        Montar painel com painel mostrando gravuras sobre instrumentos musicais; Atitudinais: ·        Interessar-se pelos diversos tipos de música; ·        Socializar as informações que as crianças possuem sobre o tema; ·        Classificar instrumentos e músicas, pelas diferenças e semelhanças; ·        Reconhecer os tipos de música e os instrumentos musicais; ·        Organizar de forma coerente o pensamento em relação aos diversos tipos de música; ·        Atitudes/ comportamentos ·        Comemorações (datas) ·        Christian Louboutin Freigabean","serif"; font-size: 12pt;">Memorizações de conteúdos como n.º e seqüência matemática ·        Desenvolvimento do senso rítmico com a formação do desenvolvimento motor, auditivo e do domínio rítmico. Linguagem oral e escrita: ·        Nome dos instrumentos e das músicas; ·        Letras inicial de algumas músicas e instrumentos; ·        Cantar acompanhando músicas diversas ·        Desenhar os instrumentos musicais; etc., ·        Conversas, diálogos, expressão de sentimentos, imitações, rimas; ·        Observação e manuseio de instrumentos musicais e CD’s, e fitas; ·        Histórias: situações do cotidiano, que envolvam que envolvam leitura; as letras do alfabeto. Matemática ·        Cantar músicas que contenha contagens; ·        Contar os tipos de músicas; ·        Os tipos de instrumentos musicais; ·        A quantidade de CDs; ·        Quantos são de cada tipo de música; ·        Tamanho de cada instrumento musical, cd’s  (maior, menor, cumprimento, largura, altura, etc); ·        Comparar as medidas; ·        Comparar peso; ·        Formar conjunto ·        Formas geométricas; ·        Maior menor. Artes visuais ·        Cores; ·        Texturas, ·        Imitações; ·        Estética; ·        Dublagem ·        Maquetes ·        Movimento ·        Danças; ·        Jogos musicais; ·        Postura corporal; ·        Ouvir, músicas canções; ·        Ritmos; Natureza e sociedade: ·        Brincadeiras com música; ·        Confecção de bandinha; ·        Pesquisa de brincadeiras antigas e atuais (brincadeiras dos pais, avós etc.); ·        Trabalhar com o conceito reciclagem visto que vários instrumentos podem ser confeccionados utilizando os mesmos. Música: ·        O tom da música; ·        Ouvir em silêncio; ·        Ouvir e cantar junto; ·        Ouvir musica aprender uma canção, brincar de roda, realizar brinquedos rítmicos, jogos de mãos são atividades que despertam e estimulam e desenvolvem o gosto pela atividade musical. ·        Daí deve ser produzida, apreciada e refletida pelas crianças. ·        Vale lembrar que a produção deve estar centrada na experimentação e na imitação, tendo como produto a interpretação e a improvisação. ·        Este eixo não deve ficar isolado das outras áreas mais integrado, visto o contato estreito e direto com as demais linguagens (movimento, expressão corporal, artes visuais...) ·        Entoar sons e canções em diferentes alturas; ·        Sentadas em circulo uma criança caminha, pela parte externa da roda, segurando uma bola. O educador segue o tempo da criança com um instrumento de percussão e cantando. ·        Quando pára de cantar, a criança dá a bola à outra do círculo e senta no lugar que esta deixa; ·        Caminhar, batendo dois bastõezinhos. Ao ouvir o som do apito, bater no chão com rapidez; ·        Cantar uma canção escolhida, enquanto o educador permanece em pé, Parar de cantar quando ele se senta; ·        Fazer rolar uma bola pequena com a ponta do pé enquanto soa a melodia. Pôr o pé sobre a bola toda vez que a melodia se interromper. ·        Jogos musicais; ·        Criação de pequenas canções; ·        Solicitar que os alunos cantem a música que mais apreciam; ·        A educadora canta uma música, escolhida de acordo com a idade da criança, depois pára e pede para a turma continuar a melodia. ·        Ouvir músicas variadas, com ritmos variados; brincar de dança das cadeiras com diferentes ritmos, a criança tem que seguir o ritmo musical; ·        Dançar e cantar em dupla em sincronia com o colega; ·        Brincar de mímica tendo como tema uma música; ·        Dançar interpretando a letra de uma música. ·        Construção de instrumentos musicais de sucatas com os educandos; ·        O educador depois de ter trabalhado, separadamente, as construções dos instrumentos poderá formar uma bandinha com as crianças; ·        Utilizando garrafas cheias e vazias trabalhar a diferença de sons produzidos por eles; ·        Fazer uma comparação do som dos instrumentos feitos com materiais recicláveis com o som dos instrumentos originais; ·        Escuta obras musicais de diversos gêneros, estilos, épocas e culturas, da produção musical brasileira e de outr os povos e países. ·        Apreciar músicas de repertórios variados (clássica, MPB, folclóricas, etc.). ·        Busca informações sobre as obras ouvidas e seus compositores ·        O educador sempre que trabalhar uma música com os educandos deverá comentar sobre o compositor e o que ele quis transmitir com a letra da mesma.   Procedimentos didáticos: ·        Confeccionar uma bandinha com materiais recicláveis (casca de coco, cabos de vassoura, tampinhas, caixas e copinhos), pandeiros, baquetes, tambor bastões, xiquexique, pratos, cuíca; ·        Acompanhar o ritmo da música com palmas e com movimentos corporais; ·        Formar grupos para fazer imitações com mímica em ritmo musical; ·        Perceber os sons com olhos fechados de fora e dentro da sala; ·        Pesquisar manifestações folclóricas de caráter musical ·        Jogos conjugados com música; ·        Observar sons e ritmos da natureza; ·        Identificar os ritmos musicais através de fitas e cd’s; ·        Imitar cantores, interpretar canções diversas; Atividades  a serem realizadas.       A confecção de uma bandinha também é um ótimo recurso a ser trabalhado com os pequenos! Além de trabalhar a arte, a reciclagem (instrumentos podem ser de sucata), o cuidado com o material, a criatividade, a intensidade e o ritmo!       Inicie a aula com uma atividade de escutar música para que as crianças trabalhem o ritmo. Peça para que elas caminhem no ritmo da música. Algumas dançarão espontaneamente e até pedirão instrumentos para acompanhar. Nessa brincadeira as crianças estão trabalhando desenvolvimento motor, percepção auditiva e rítmica, além de exercitarem a capacidade de escuta, respeitando a vez dos outros. O desenho que veio do som      De cada som sai uma imagem. Nessa brincadeira, a professora pede aos alunos que desenhem o som de algumas músicas. Com isso as crianças expressam graficamente o que ouvem transitando de uma linguagem para a outra. Podemos também trabalhar com cenas de filmes e desenhos animados, mostrando as mudanças que a música sofre, dependendo de os momentos serem alegres, tristes, de tensão ou relaxamento. Sobre a linha       Para trabalhar noções de tempo e espaço podemos sugerir a seguinte brincadeira: Esticar uma corda no chão. A criança deve cantar uma música enquanto caminha por ela. O objetivo é fazer com que a música "caiba" no tempo em que ela caminha pela linha. Trabalha-se, assim, o equilíbrio, a percepção auditiva e o ritmo. O som e o silêncio           Outra brincadeira que é sucesso garantido é a de "estátua". Enquanto a música está tocando, as crianças devem caminhar ou dançar. Quando a melodia pára, elas também devem parar imediatamente. Podemos usar também 2 instrumentos: um representa o silencio o outro o som. Nessas atividades, os alunos descobrem o valor do intervalo entre os sons na música.   O monta e desmonta do xilofone      Um dos instrumentos mais interessantes para crianças que estão começando a aprender música é o xilofone, porque facilita a percepção de diferentes sons. E ele tem uma vantagem adicional quando é daqueles modelos que podem ser desmontados.      Quando pedimos que as crianças tirem as notas e tornem a montar o xilofone, elas seguem dois critérios: o do som e o do tamanho de cada uma das placas e ao fazerem a seriação do menor para o maior, as crianças descobrirão que as peças menores geram sons mais agudos, enquanto os sons graves são produzidos pelas peças maiores. Este é mais um passo no sentido de trabalhar sons graves e agudos com seus alunos. É um grande avanço nessa idade a criança conseguir seriar objetos de aparência idêntica e produtores de sons diferentes.     Esta sequência de exercícios serve para mostrar que o som pode ser grave ou agudo, forte ou fraco, rápido ou lento. E dá o primeiro passo rumo à escrita musical   Idênticos porém diferentes        Preencha três latas de refrigerante iguais, uma com pedras, outra com feijão e outra com arroz. Peça para seus alunos identificarem qual som é mais grave, qual é mais agudo e qual fica na faixa média. Aqui há uma evolução na aprendizagem iniciada com a seriação das notas no xilofone, pois, apesar das latas terem a mesma forma e tamanho, emitem sons diferentes.
calcanhares

christian louboutin hyper prive
christian louboutin herrskor
Christian Louboutin baskets pour les hommes
homens
louboutins en oferta

Tente Um Remédio Natural Para a Dor Nos Pés

As pessoas que sofrem deste problema sabem exatamente o que queremos dizer. O calcanhar fica como se houvesse um prego sendo fincado nele. A terapia com luzes LED me permite tratar este problema com sucesso, no conforto da minha própria casa e sem ter que fazer várias visitas para o ortopedista.

Cuidados Pes

Cuidados Pes

O Artigo a Seguir Fala Sobre Dor No Calcanhar

Sua planta dos pés pode ser uma banda fibrosa de tecido conjuntivo começando com a superfície inferior do calcâneo (osso do calcanhar) e estendendo-se através da sola dos pés em direção aos pés.
Numerosos especialistas têm relatado que a planta dolorida ocorre em milhões de pessoas a cada ano. É frequentemente ligada a longos períodos associados a caminhada a pé. Com relação a pessoas que não fazem exercício físico, pode ser relacionado com um índice de massa corporal extrema.

O Que Exatamente é a Fáscia Plantar?

Dor Nos Pes

Dor Nos Pes

A fáscia plantar pode ser definida como ligamentos finos que podem ser encontrados imediatamente abaixo da pele na base do seu pé. Isso atribui o salto para o lado da frente do seu pé, e sustenta o corpo. Esse problema ocorre quando uma grande parte deste tecido começa a inflamar.

Abaixo Estão Alguns Dos Sinais De Alerta Mais Proeminentes Desse Problema:

Geralmente o desconforto ocorre em torno da sola e do calcanhar que é regularmente mais severo que as outras partes. Perda da firmeza na base do próprio pé.
Questões de aquecer a musculatura do pé.
Outro sinal são dores no joelho, especialmente se você pratica atividades físicas, assim como a dor em toda a sola de seu pé.

Tratamentos

Para minimizar a inflamação, os médicos costumam receitar remédios a base de acetaminofeno (Tylenol) ou ibuprofeno (Advil, Motrin) para remover a dor e a inflamação.

Exercícios De Alongamento

Incline à frente contra uma parede utilizando um joelho diretamente junto com o calcanhar na superfície. Posicione a outra perna à frente, combinando com o joelho dobrado. Para garantir que você combine o exercício com a ponta do calcanhar, pressione a cintura em torno da parede dentro de uma forma contida. Mantenha a postura por 10 segundos e relaxe. Faça isso de novo 20 vezes para cada pé.

Massagens

Massagens

Este exercício é efetivamente realizado sentado. Cruze os pés cobrindo o joelho da outra perna. Apoie os dedos do seu pé e traga lentamente em sua direção em um processo de manutenção. Se é difícil conseguir isso, envolva o pé em uma toalha em torno do seu dedão do pé para ajudar a puxar os dedos do pé em sua direção. Posicione a outra mão ao redor da planta dos pés. Mantenha esse alongamento por cerca de 10 segundos e realize o exercício 20 vezes em cada pé.

Gostou? Curta e Compartilhe!
Tweet
Compartilhar

Categoria(s) do artigo:
Dicas

Artigos Recentes

  • Restauração Dentária

    ago 17, 2017
    0
  • Prótese Ombro

    jul 24, 2017
    0
  • Curso Prótese Dentária

    jun 15, 2017
    0
  • Lista dos 25 Melhores Blogs de Saúde de 2016

    jan 11, 2017
    0
  • Prótese de Joelho

    nov 23, 2016
    0

Artigos Relacionados


Artigos populares

  • tunel de carpo-1

    O Caminho da Recuperação da Síndrome do Túnel do Carpo

    mar 12, 2011
    96
  • Benefícios do Jiló para a Saúde

    Benefícios do Jiló para a Saúde

    abr 5, 2011
    69

Deixe um comentário Cancelar resposta



As Dores Mais Comuns do Ciclista

Diversas pesquisas apontam que a grande maioria dos ciclistas sentem dores ao pedalar. Essas dores na maior parte das vezes são decorrentes de um ajuste incorreto de suas bicicletas em função de seus corpos.
Para isso existe o Bike Fit, um serviço de ergonomia feito para o ciclista. Durante o bike fit, o corpo do ciclista é medido e são feitas diversas análises com o ciclista na bike e fora da bike, para determinar as carcterísticas do seu corpo, estilo de pedalada e uso que o ciclista fará da bicicleta.
Após essa todas essas análises, a posição do ciclista é ajustada em função de seu corpo.
Após vários anos trabalhando com bike fit e uma experiência de centenas de fits realizados, pude constatar que algumas das dores mais comuns dos ciclistas podem ser facilmente resolvidas com algumas considerações básicas de posicionamento.
Ressalto porém que cada caso é um caso e talvez seja necessária uma avaliação mais a fundo para resolver o seu problema.

AS DORES MAIS COMUNS DOS CICLISTAS

Dor no pescoço:

As dores do pescoço estão relacionadas a uma posição do guidão muito agressiva (lê-se guidão muito baixo e/ou distância guidão-selim muito longa), ou a ponta do selim voltada para baixo. Com o guidão mal posicionado (e/ou o selim apontado para baixo) geramos uma descarga de peso grande nos braços e nos ombros, ou uma flexão exagerado do pescoço, o que acaba gerando dores na região do pescoço. Se você sente dores no pescoço considere alterar a posição do seu guidão, e procure um bike fit o mais rápido possível, já que o longo prazo você pode desenvolver uma lesão crônica nos ombros, pescoço ou coluna.

Dor Lombar:

Estima-se que 80% dos ciclistas sinta algum tipo de desconforto lombar. É muito, não acha? A dor lombar geralmente está relacionada à falta de força dos musculos posturais (musculos do core – abdominais e paravertebrais) somada a um guidão baixo demais. Fique atento, se você não possuir uma boa flexibilidade, considere subir a altura do seu guidão. Além disso, que tal deixar de preguiça e levar a sério os exercícios de alongamento e de fortalecimento do core, hein? Uma boa referência para entender melhor o assunto é o artigo Ciclismo e Dor nas Costas.

Dores nos punhos:

As dores nos punhos ou os casos de dormência na mão, normalmente estão relacionados à má distribuição de peso do ciclista sobre a bicicleta, o que pode impor muito peso sobre as mãos do ciclista. Outro problema muito comum é a falta de alinhamento das manetes de freio (e cambio) em relação às mãos do ciclista. O ideal, enquanto você estiver com as mãos no guidão, é que sua mão esteja alinhada ao antebraço (assista ao video). Muita flexão ou muita extensão dos punhos irão gerar dores.

Repare na posição das mãos no guidão.
Repare na posição das mãos no guidão.

Dor na bunda Desconfroto ao sentar:

O desconforto ao sentar, é mais comum aos iniciantes, que ainda não estão acostumados a descarregar o peso sobre os ísquios, mas esse desconforto tende a diminuir com o passar do tempo, no entanto é importante considerar a escolha do selim ideal e o correto ajuste do selim, que deve ser ajustado de acordo com o corpo dos ciclista.  Selins altos demais, contribuem bastante para o desconforto ao sentar.

Dormência nos pés:

A dormência nos pés é outro ponto muito comum de desconforto entre os ciclistas (e mountain bikers). Esse tipo de desconforto pode estar relacionado à sapatilha apertada demais (não exagere no aperto das tiras da sua sapatilha) e ao mal posicionamento do taco do pedal. Para isso procure um bike fitter! Outro ponto que contribui bastante para a dormência nos pés é o uso de sapatilhas com solas moles (sabe aquelas sapatilhas que parecem tênis?). Esse tipo de sapatilha é muito bom para caminhar, mas ao pedalar a sola mais mole não oferece o suporte necessário para o ciclista.

 

E quando meu bike fit está correto e eu ainda sinto dores?

Como o seu estilo de pedalar pode afetar o seu conforto?

O Bike Fit, é uma ciência que tem evoluído constantemente. Apesar de toda essa evolução, ainda sim alguns problemas podem ser difíceis de resolver, já que existe uma grande diferença entre os corpos dos ciclistas e entre a maneira com que cada um pedala.

Resolvi abordar as dores que os ciclistas sentem, mas agora, do ponto de vista do posicionamento corporal em cima da bike ou do estilo de pedalada, e como isso pode afetar o surgimento de dores ao pedalar e a eficiência da pedalada em si.

O que posso fazer para melhorar?

Dobre os seus cotovelos

Lembre-se disso: pedalar com os cotovelos estendidos, é um dos maiores pecados que o ciclista pode cometer.

Mantenha sempre os seus cotovelos levemente flexionados durante a pedalada. Cotovelos completamente estendidos, não só atrapalham sua pilotagem (lê-se o controle da bike), como também podem gerar um tremendo desconforto. Os cotovelos atual como amortecedores de pequenos impactos que sofremos ao passar sobre raízes, pedras ou costelas de vaca. mantendo os cotovelos levemente flexionados, somos capazes de amortecer e pouco sentir esses impactos (graças ao tríceps). Se você não for capaz de flexionar seus cotovelos enquanto suas mãos estiverem no guidão, pode ser um indicativo de que sua bike esteja grande para você.

Relaxe os ombros:

Minha professora de Pilates, gosta de repetir a seguinte frase, durante meus exercícios: os ombros e as orelhas não se gostam e devem ficar separados. Isso vale não só para o pilates como para o ciclismo. Quando cansamos, temos a tendência de contrair os ombros e aproximá-los das orelhas (elevando-os). Ao prestar atenção para não contrariar demasiadamente os ombros, evitamos dores no pescoço. Mantendo os ombros relaxados e na posição correta, conseguimos manter a posição do tronco mais estável, recrutando assim mais músculos do core, e conseguindo produzir mais potência na pedalada.

técnica de pedalar
O seu pé deve estar nivelado na maior parte do movimento da pedalada.

Preste atenção nos seus calcanhares durante a pedalada

Para gerar o máximo de potência os seus calcanhares devem estar nivelados ou levemente apontados para baixo, para que você consiga melhor recrutar os músculos posteriores da coxa. Pedalar o tempo todo com a ponta do pé apontada para cima ou para baixo, pode significar que o seu selim está fora de posição (ou muito alto ou muito baixo). O único momento em que os seus calcanhares devem estar elevados (ou a ponta do pé estar para baixo), é no início da fase de propulsão (força para baixo), no restante da pedalada o calcanhar deve estar nivelado com o solo.

Não esqueça do Core

Muitos ciclistas se preocupam apenas em empurrar e puxar os pedais com as pernas. Mas não devemos esquecer do tronco, que deve estar estável para você conseguir “entregar” o máximo da força produzida aos pedais. Sabe aquela pessoa que pedala balançando o tronco de um lado para o outro? Então, essa pessoa provavelmente desperdiça parte da força produzida pelas pernas devido a falta de estabilização do tronco. Para melhor aproveitamento da sua força, lembre-se de tentar manter a coluna alinhada (não toda curvada para frente), assim conseguimos recrutar melhor os glúteos e manter as escápulas relaxadas.

 

Artigos relacionados ao posicionamento corporal e o bike fit:

  • Como montar sua bicicleta aro 29? – Algumas considerações básicas para aqueles que querem MONTAR a sua bicicleta aro 29.
  • Como escolher o melhor selim para a sua bicicleta? – Um dos vídeos de maior sucesso da Escola de MTB.
  • As novidades sobre as rodas 27.5 – O artigo mais completo da internet sobre o assunto.

Bons Treinos!

Gostou de nossos artigos e quer recebê-los por email? É só clicar aqui!
Conheça os nossos programas de treinamento!

Leia mais sobre o assunto

Dá para treinar ciclismo com pouco tempo?
views 10910
Você sabe o seu peso ideal para competir? (Parte 2...
views 5782
Ajude – Bike Roubada
views 5899
Esse filme capta a mágia de pedalar os primeiros 1...
views 2465
Links para assistir ao Tour de France 2015 ao vivo
views 4276
Novo Shimano Xt de 11 velocidades
views 4279

3 comentários sobre “As Dores Mais Comuns do Ciclista

  1. nielfernando disse:

    Oi, gostaria da referência dessa matéria, tem como ceder?

    Responder
    1. Rodrigo Langeani disse:

      Nielde, tudo bem?
      A principal referência para esse texto é o livro do Andy Pruit – Complete Medical Guide for Cyclists.
      Abraço

      Responder
  2. Luiz disse:

    Pois então… Tenho a bike como meio de transporte, pedalando em média 16 Km por dia… O ideal seria que as bikes fossem feitas sob medida, de acordo com as dimensões do ciclista (altura, comprimento dos braços, etc) assim como é feito com a elite do ciclismo mundial… Embora não tenhamos acesso a uma bike totalmente sob medida, existem algumas formas de torná-la mais adaptável ao nosso biotipo.
    É possível comprar um quadro de acordo com a sua altura… Os quadros têm medidas de tamanho em polegadas. Quanto mais alto o ciclista, maior deve ser o quadro… Existe uma tabela de proporções. Por exemplo, ao ciclista de 1,90m é indicado um quadro de, no mínimo, 21 polegadas…
    Outra coisa básica é a relação entre o ângulo do pedivela e o ângulo da perna… Coloca-se o pedivela em um ângulo de 45 graus com o solo… Com a ponta do pé (um pouco mais pra dentro), a o joelho deve ficar em 90 graus…

    Responder

Deixe um comentário! Cancelar resposta